Newsletter Nº 38
Junho de 2005

Consulte as Newsletters anteriores: 

Entrevista com o Eng. Victor Santos

“É urgente que haja formação sobre o vidro e, desde logo, junto dos intervenientes no imobiliário, pois eles têm de ter plena consciência sobre o tipo de vidro que estão a colocar na sua obra. Não se pode continuar a escolher o vidro, só pelo preço imediato. Esse critério tem os dias contados.”

“ESTAMOS A TERMINAR UM «DOSSIER DE QUALIDADE» PARA ENTREGAR AOS PROPRIETÁRIOS DE APARTAMENTOS QUE JÁ VENDEMOS HÁ ALGUM TEMPO. NESSES APARTAMENTOS, TODOS OS EQUIPAMENTOS E PRODUTOS, MAS TODOS ELES, SÃO CERTIFICADOS. O PORTÃO DA BOX, A PORTA DE ENTRADA, AS AREIAS DA CONSTRUÇÃO, OS VIDROS… TUDO, TUDO O QUE FAZ PARTE DA CONSTRUÇÃO DESSE APARTAMENTO ESTÁ CERTIFICADO. NA SOCOBRE É ASSIM QUE FUNCIONAMOS “

“O MERCADO DA CONSTRUÇÃO NOVA ESTÁ A DECRESCER E TENDERÁ PARA OS 20.000 FOGOS ANO E AÍ SÓ A QUALIDADE FARÁ A DIFERENÇA”

Estas são algumas das ideias fortes que Victor Santos nos transmitiu durante a sua amável entrevista a NOTÍCIAS SAINT–GOBAIN GLASS, e da qual damos, aqui, devida conta:

Eng. Victor Santos

Victor Santos, 52 anos, com formação inicial em Engenharia de Máquinas, é, indubitavelmente, alguém que denota um percurso pessoal, familiar e profissional, plenamente preenchido e realizado, em cada uma das etapas desses seus entrosados percursos. Basta ver a sua contagiante motivação, logo pela forma com que se expressa sobre a sua actividade. É que Victor Santos, além de ser um académico permanente – a sua Licenciatura em Coordenação e Gestão de Obras, com tese sobre “O Vidro Exterior Colado“ e a Pós-Graduação em Gestão Imobiliária, que está a receber, assim o demonstram – é também Professor de Desenho Técnico de Máquinas. Tudo isto, claro está, conjugado com a sua actividade profissional, como responsável pela coordenação dos empreendimentos da SOCOBRE. A tudo isto, acresce uma das grandes paixões do Eng. Victor Santos, a QUALIDADE. Ela é um factor estruturante na sua maneira de estar e de agir. Refira-se, aliás, que a QUALIDADE foi, para ele, decisiva na sua opção em aceitar o desafio do projecto profissional que hoje abraça na SOCOBRE. Victor Santos é casado e pai de duas filhas, as quais já são, também, profissionais de mão cheia, sendo uma Marketeer e a outra Informática.

NOTÍCIAS SAINT-GOBAIN GLASS: Em síntese, como define a Socobre?

ENG. VICTOR SANTOS: A SOCOBRE é uma empresa de Metalomecânica. Entretanto, criou um departamento de Construção Civil. Para esta diversificação, concorreu o facto de o Presidente do Conselho de Administração, Simão Soares da Costa, estar ligado a empresas dessa área: TNS3 S.A., empresa que só ou associada a outras é responsável, nos últimos 5 anos, por urbanizar cerca de 700. 000m2 de área de construção. e IMOVIA S.A, empresa que associada à OBRIVERCA é responsável pela construção de dois empreendimentos, um em Sesimbra e outro em Odivelas, os quais têm qualidade igual ou superior ao que de melhor se faz na Europa.

SGG: Qual é, então, o posicionamento diferenciador da Socobre?

VS: Com toda a convicção lhe posso dizer que o posicionamento da SOCOBRE se define em duas palavras: “QUALIDADE total em benefício do cliente“. Os nossos projectos reflectem uma resposta às necessidades e exigências dos nossos clientes potenciais. Isto é, os nossos projectos obedecem a um diagnóstico prévio junto do nosso grupo alvo de prospects.
Efectivamente, o que nos distingue e que o mercado reconhece é a particularidade de oferecermos um produto final, que reflecte uma preocupação muito viva, não só de proporcionar uma habitabilidade confortável, segura, funcional, mas muito em particular, que não induza em custos acrescidos de manutenção para quem lá habita.
Os nossos empreendimentos, quer eles sejam condomínios privados ou edifícios, sobressaem logo pelo facto de terem, no plano estético, uma identidade muito própria, pois não queremos que as pessoas morem em andares, mas sim em prédios com carisma. Por exemplo, o nosso último empreendimento tem a prestigiada assinatura do Arqt. Dória. Em termos de interiores, tem a não menos prestigiada assinatura do Gabinete de Bruno Viterbo.
Por outro lado, temos uma forte preocupação com os custos induzidos de manutenção. É sabido que, de um maneira geral, esses custos serão tanto maiores quanto menor for a preocupação de QUALIDADE posta no projecto inicial.

Os nossos clientes sabem-no bem e reconhecem-nos por esse facto. Prova disso é a credibilidade e a notoriedade da nossa insígnia. Não temos reclamações pós-venda. Sabemos que a QUALIDADE é efectivamente aferida, não no acto de compra, mas depois quando o andar é habitado.
Aí é que os clientes melhor se apercebem do quanto a SOCOBRE pensou no seu bem estar. Depois, valorizam-no em nosso favor, o que nos é sempre grato. Às vezes são pormenores que nem sequer foram descriminativos no acto de compra, tais como uma torneira para regar as plantas e evitar o “dentro e fora” com baldes de água; a ventilação forçada nas garagens, apenas a título preventivo; bem como uma miríade de outras coisas que se não vêm, como é o caso de uma cola especial para azulejos de exterior, que sujeitos à acção do tempo, possam ameaçar cair; aspectos ligados à segurança; durabilidade de acabamentos.

Em suma, “Pensamos e Agimos Cliente“

SGG: Portanto, a QUALIDADE é imperativa, não é assim?

VS: Sim claro. Isso é inquestionável. Basta observar a evolução do mercado de habitações novas, o qual está a decrescer acentuadamente. Neste âmbito, a QUALIDADE será decisiva para seleccionar os operadores de mercado, excluindo uns e elegendo outros. Disso já ninguém tem dúvidas.

SGG: Continuando a falar de QUALIDADE, mas agora restringindo-nos ao “VIDRO“, como acha, Sr. Eng,º que o mercado se tem vindo a comportar?

VS: Bem, em minha opinião, acho que, de uma maneira geral, ainda prevalece a selecção pelo preço mais baixo. Isto não obstante o sector do vidro possibilitar excelentes soluções. Na prática, isto traduz-se pelo recurso da nossa concorrência a empresas de “Vidro“ não certificadas, o que, naturalmente, induz a que a caixilharia seja, também ela, de preço mais baixo. Repare bem: o que é que hoje o construtor pede? Pede vidro com “Caixa de Ar“ ou “Vidro Duplo”, se quiser. Pura e simplesmente, grassa uma falta de formação técnica sobre o vidro, a qual já vem dos bancos das Universidades. Cada vez mais temos de trabalhar com empresas certificadas. Note que nós estamos a terminar um “DOSSIER DE QUALIDADE“, para entregarmos aos proprietários de apartamentos que já vendemos há algum tempo. Nesses apartamentos, todos os materiais e equipamentos, incluindo o “Vidro“, são, todos eles, certificados. Na SOCOBRE é assim que funcionamos.

SGG: Quando falamos em VIDRO, pensamo-lo mais em exteriores. Em termos de interiores, qual tem sido a evolução do recurso ao VIDRO?

VS: Na realidade tem-se verificado um crescente recurso ao vidro, em termos de interiores, Por exemplo, “As Guardas das Varandas“, “A Guarda que acompanha o Corrimão“ “As escadas“… sabe, o vidro é percebido como um material leve…. Note, estive há pouco tempo em Barcelona, na Construmate, e realmente o Vidro é uma coisa espantosa... o que se faz com o Vidro, tanto em termos de interiores como de exteriores. Extraordinário, sem dúvida!

SGG: Quer então dizer que o Vidro é um amigo da construção?

VS: Sem dúvida, o Vidro tem um potencial extraordinário. Mas atenção, é preciso, é urgente, que também haja formação sobre o Vidro, ao nível dos Intervenientes no Imobiliário. Não é só sobre os técnicos, como disse atrás. O promotor imobiliário também tem de ter uma opinião consistente sobre o que é que está a ser colocado na sua obra. Ele tem de ter, pelo menos, mais conhecimentos ao nível da utilização. Por exemplo, o que é um vidro Laminado, o que é um Vidro Temperado, quando é que aplica um ou outro … e por aí fora. Só tem a ganhar com isso.

 

Para qualquer informação contacte-nos: mkt.sggp@saint-gobain.com

Topo de Página